UEM adere à paralisação do dia 14 de junho e servidores já falam em greve na instituição

Notícia

Reunidos em Assembleia Geral Permanente, os servidores da Universidade Estadual de Maringá, decidiram, hoje, 10 de junho, por unanimidade, aderir à greve nacional do próximo dia 14 de junho, em defesa da Aposentadoria e Contra a Reforma da Previdência de Jair Bolsonaro/Paulo Guedes.

Diversas entidades sindicais, por todo Brasil, também já realizaram suas Assembleias e a decisão é parar o País, neste dia 14. Em Maringá, a concentração acontece a partir das 8 horas, na Praça Raposo Tavares, com distribuição de panfletos explicando os principais pontos dessa reforma.

A proposta do Governo Federal acaba com o sistema de seguridade social e deixa os trabalhadores à própria sorte. Quem perde são os mais pobres e necessitados, quem ganha são os banqueiros e os grandes especuladores. Aumenta às desigualdades e acentua as mordomias de banqueiros e políticos.

Durante a Assembleia do Sinteemar, o presidente José Maria Marques, informou que no próximo dia 18 de junho, haverá uma nova Assembleia para deliberar a greve geral dos Servidores Públicos Estaduais, por tempo indeterminado. Essa greve será em defesa da recomposição salarial da categoria, que está há 4 anos, com os salários defasados em mais de 17%. As perdas dos Servidores já chegam a 2,27 salários por ano.