FES prova que governo tem margem fiscal para dar data-base

Notícia

Um estudo elaborado pelo assessor econômico do Fórum das Entidades Sindicais (FES), o economista Cid Cordeiro, mostra que há uma estimativa de crescimento das contas do Estado para 2019 em 6%, contra previsão de apenas 1,43% da Secretaria da Fazenda.

A SEFA subestima o índice de crescimento da receita em 2019, como fez e ficou demonstrado nos relatórios fiscais e na receita de 2018, deque havia condições do governo conceder o reajuste de 2,76% em maio. Essa proposta chegou, inclusive, a ser defendida pelo deputado estadual à época, Ratinho Junior (PSD), hoje governador.

Dados mostram que o Paraná encerrou o ano de 2018, comíndice 44,56% muito abaixo do limite prudencial e legal, o que demonstra, mais uma vez, que havia margem fiscal para dar a data-base. No acumulado dos últimos três anos, os servidores públicos do Executivo do Estado já acumulam perdas que ultrapassam os 17%.

A Comissão Permanente de Negociação entre os servidores e oFórum já se reuniu em várias ocasiões para avaliações financeiras e o maior impasse, que ainda persiste, é sobre o crescimento da receita do Estado.

Os integrantes do FES, do qual o Sinteemar faz parte da coordenação, reiterou a disposição de debater sobre finanças do Estado e a possibilidade de atendimento da data-base e também sobre outros itens pertinentes à pauta de reivindicações dos servidores.